Laboratório Belém Jardim. Uma história de superação, saúde e ligação com a natureza.

historia

 

Como uma grande árvore, a história do Belém Jardim tem raízes profundas, décadas de desenvolvimento e é cercado pelo amor à natureza.

O fundador do Laboratório Belém Jardim foi Renato Belém Jardim, que nasceu em Belo Horizonte no dia 21 de abril de 1899 e perdeu a visão aos 30 anos de idade devido ao glaucoma. Casou-se com Celina Belém Jardim e juntos tiveram 6 filhos. Durante muitos anos trabalhou com comércio de peixes no Mercado Central de Belo Horizonte e teve também sua própria peixaria na Avenida Bias Fortes. Após o fechamento desta peixaria, com 60 anos de idade, começou a produzir, nos fundos de sua própria casa, algumas fórmulas de medicamentos que conhecia devido a sua avó, Rosa Belém.

Rosa Belém descendia de índios, com os quais aprendeu os segredos do uso de plantas na produção de remédios. Renato, que foi criado pela avó como se fosse um filho, aprendeu esse conhecimento desde cedo. Séculos de conhecimento nativo são a base ancestral do laboratório Belém Jardim.

Os primeiros produtos da nova empresa foram o sabão Cutisbalma (amaciante de pele) e o sabão parasitiro (loção e sabão). Tudo era feito em um cômodo nos fundos de sua casa com a ajuda de uma única funcionária, Fia, que trabalhou com ele até sua aposentadoria. Era ela que lavava e fervia as infusões. Teve a ajuda também de um amigo, senhor Pimenta, que era farmacêutico e ensinava algumas fórmulas e também dava explicações. Foi a primeira integração de técnicas modernas e da Ciência à produção dos produtos do Belém Jardim.

A falta de visão não foi barreira para o senhor Belém, como era conhecido. As fórmulas herdadas de sua avó Rosa eram todas guardadas de cabeça. Utilizava uma balança de 2 pratos para pesar as plantas, conhecia os pesos pelo tamanho e verificava o fiel com as mãos. A família não entendia como ele criava novas fórmulas e diziam que era o espírito de um amigo que passava tudo para ele. Na verdade, seu sucesso é fruto de muita perseverança e amor a um trabalho ao qual tanto se dedicou.

Os medicamentos eram vendidos para vendedores autônomos até conseguir registro dos produtos no Rio de Janeiro. Deixava os medicamentos nas farmácias em consignação e as entregas eram feitas de bicicleta. Teve ajuda de seu neto Márcio, que fazia os rótulos em uma máquina de escrever. A simplicidade da parte comercial e das embalagens não importavam, pois a qualidade dos produtos garantiu o sucesso.

Fórmulas criadas pelo Sr. Belém são vendidas até hoje pelo Laboratório Belém Jardim com muito sucesso. Alguns já não são mais fabricados, como a loção J20, que foi muito conhecida há alguns anos, e a pomada Seiva Sex X 18, usada para enrijecer os seios.

O Sr. Renato Belém Jardim faleceu em dezembro de 1987. Não chegou a conhecer as novas instalações do Laboratório Belém Jardim, no bairro Guarani. A empresa foi ampliada e modernizada por seu filho Lydney Belém Jardim, que sempre acreditou e incentivou o laboratório.

Foi Lydney que deu ao Laboratório condições de crescer e se tornar hoje presente em todos os estados do Brasil através de seus representantes e distribuidores. Com uma visão empreendedora e conhecimentos administrativos adquiridos em 35 anos como executivo da Siderúrgica Belgo Mineira, Lydney conduziu o Laboratório na transformação de uma empresa familiar para uma indústria de mercado.

Sob a gestão de Lydney, o Laboratório cresceu a sua área produtiva com a construção da nova fábrica, adquiriu equipamentos e se adequou às normas da Vigilância Sanitária, deixando a empresa pronta para alçar vôos maiores.

Atualmente o Laboratório está na eminência de lançar 15 novos produtos no mercado, consolidando assim a sua posição como um dos principais Laboratórios Fitoterápicos do Brasil.

Após o falecimento de Lydney, em outubro de 2011, a empresa continua sob a gestão da família Jardim, hoje em sua terceira geração.